sexta-feira, 8 de julho de 2011

O Sol é grande

Poderíamos falar das estações do ano, dizendo que o clima influencia o humor das pessoas, associando o inverno a uma baixa e o verão, a uma elevação do humor. Mas esmiucemos a questão. O que significa inverno? O que significa verão? Estamos falando de calor? de luminosidade? O que diabos, exatamente, interfere no humor?
Luminosidade

Quais são os efeitos da luminosidade sobre o humor?

Em países como o Brasil, em que a luminosidade é maior, o povo tende a ser mais alegre e a fazer mais sexo. Elevação do humor e aumento da libido andam de mãos dadas, tal como nos forrobodós em que o povo se diverte quando não exagera no consumo de ácool...

Para que tenhamos uma ideia melhor dos efeitos da luminosidade, vejamos o caso de quem troca o dia pela noite. O humor também se altera. (É claro que podemos falar em relógio biológico se uma pessoa passou a dormir de dia, deixando de dormir à noite; mas lembremos que, depois de alguns dias, o corpo se adapta a novos horários, restando apenas a questão da luminosidade. Porque, por mais que você se acostume a dormir de dia, você não encontrará um sol brilhando à noite!)

A luminosidade funciona como uma espécie de estimulante, cuja dose maior está nos Trópicos.

Sendo assim, se admitimos que a luminosidade tem um efeito sobre o humor, fica mais fácil reconhecer que a luminosidade, em doses maiores, tem efeito maior.

Da mesma forma, a luminosidade, em doses menores, tem efeito menor.


Calor

Mas há outros fatores que deveríamos levar em conta.

Da mesma forma que a luminosidade é grande na maior parte do Brasil, o calor também é. Nossa temperatura exige mais do fígado e dos pulmões, gerando aquela nossa famosa apatia, típica de quem vive em zonas mais quentes.

Essa apatia, entretanto, não deve ser confundida com a nossa típica falta de iniciativa.

Se nossa apatia é uma resposta do corpo ao calor, a falta de iniciativa já é uma característica do Patriarcalismo, que ainda não desapareceu por completo entre nós, isto é, nossa geral falta de iniciativa obedece, antes de tudo, a fatores sociais.

Ainda sobre nossa falta de iniciativa, lembremos que ela, de modo geral, é maior nas cidades ou regiões do Brasil em que o Patriarcalismo é mais forte; e menor, nas cidades e regiões em que o Capitalismo é mais acentuado. Lembremos, ainda, que isso vale para as pessoas tomadas em conjunto, porque estamos falando de Sociologia. Exceções à regra sempre houve e sempre haverá. Mauá é um bom exemplo do séc. XIX.


Índia X Brasil

A Índia e o Brasil, de modo geral, são dois países quentes e com bastante luminosidade natural. Poderíamos falar da dança e da alegria indiana, concluindo que indianos e brasileiros são bem parecidos. Mas seria uma observação superficial. No fundo, no fundo, indianos e brasileiros são bem diferentes.

Além do mais, falar da Índia é falar de vários povos. Daqui por diante, fiquemos apenas com os hindus.

Os hindus têm um desalento ou um pessimismo que nós, brasileiros, não temos.

Nosso sofrimento ou desalento tende a ser mais externo que interno, e mais passageiro que duradouro.

Sendo assim, já podemos ver que luminosidade e calor interferem no humor, mas não determinam o humor. Há outros fatores.

De modo geral, se falamos apenas de brasileiros, tendemos a ser alegres até onde vai aquela nossa típica apatia devido ao calor, mas não tendemos a tomar a iniciativa, a estar em ação como outros povos mais enérgicos, apesar de nossa típica alegria e geral bom-humor.


Fatores socioeconômicos

Veja que no Nordeste brasileiro, onde não faltam luminosidade e calor, o número de suicídios aumentou bastante nos últimos tempos, acompanhando o aumento da renda.

A luminosidade e o calor não mudaram nos últimos anos, mas o aumento de renda trouxe novas expectativas, novas exigências e, porque o dinheiro a mais não é tanto assim, novas frustrações. E é esse contexto que parece explicar o aumento de suicídios no Nordeste, uma consequência curiosa ou um efeito colateral do bem que o Bolsa Família causa.

Detalhe. Não estou falando de Política.


O Sol é grande

Enfim, como diria Sá de Miranda, à parte as estações do ano mudarem, há um estado de espírito, algo mais interno, que não acompanha o que acontece aqui fora, no mundo externo. E isto é sem cura.

O sol é grande, caem co’a calma as aves,
do tempo em tal sazão, que sói ser fria;
esta água que d’alto cai acordar-m’-ia
do sono não, mas de cuidados graves.


(...)


Leia mais

2 comentários:

Jéssica. disse...

Achei muito interessante. Por isso que muitas pessoas dizem que nos dias nublados e frios sentem desânimo. Nunca acreditei muito nisso, mas agora posso ver uma base científica aí. Obrigada pelas informações passadas de uma forma clara e simples. ;)

Francine Galiano* disse...

Bem interessante o texto.
Realmente o sol não cura a alma, mas ajuda no processo de cura!
Vou lá tomar um solzinho... Abraços!